quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Entrevista a Catarina Beato

quarta-feira, 11 de setembro de 2013
Desta vez tivemos a honra de entrevistar Catarina Beato.
Autora do livro "Dias de Uma Princesa" e de um blog com o mesmo nome, Catarina assume-se como Jornalista por paixão, Freelancer por opção e Feliz por convicção.
Se ainda não leram o livro "Dias de Uma Princesa" leiam, uma vez que a Catarina tem uma escrita deliciosa, que consegue cativar o leitor. Aproveitem também para visitar o blog "Dias de uma Princesa".
Vamos então conhecer um pouco mais da Catarina, a quem agradecemos desde já a disponibilidade para responder às nossas perguntas.

HT: Como e quando nasceu o blog “Dias de Uma Princesa”?
Catarina Beato: O blog nasce em Março de 2005. Um ano complicado, porque me sentia perdida em termos profissionais, e num mês difícil. O meu pai morreu no dia em que fiz 24 anos, 28 de Março. OS blogs ganhavam visibilidade e eu decidi ter um diário público, sem noção (ainda) das pessoas que me estariam a ler. Queria desabafar o que sentia: tinha 27 anos e era mãe do Gonçalo com 3 anos, tinha muitas saudades do meu pai e nos últimos três anos só tinha feito asneiras em termos de trabalho/negócios. Princesa na vida do meu filho, cheia de saudades do meu Rei. Foi assim que nasceu.

HT:  Nestes anos todos de blogosfera, alguma vez pensou em desistir. Se sim, porque motivo?
Catarina Beato:
Três vezes. São formas de chamar a atenção, sem dúvida. Mas naquele instante parece que a exposição nos sufoca. Foram dois desgostos de amor e quando não sabia como gerir a exposição da minha gravidez e do meu filho mais novo. Separei-me ainda grávida e foram anos complicados. Duas vezes “escondi” o blog e regressei. Quando fiquei grávida do Afonso deixei de escrever. É o meu diário, e mesmo nos dias em que não sei como nem o que escrever, é um pedaço de mim.

HT: É mãe solteira de dois rapazes e freelancer por opção. Como é que se conjugam esses dois factores em termos de tempo e organização?
Catarina Beato:
Na maior parte dos dias corre bem. Durmo pouco porque trabalho quando os meus filhos dormem mas organizo-me de forma realista e calma. Mas há dias em, se visse de fora, pensaria estar a assistir a uma conjugação terrível entre o drama e a comédia. Quando há muitos trabalhos de casa do mais velho, muita birra do mais novo e um texto para entregar. Quando consigo antecipar estes momentos, peço ajuda. 

HT: Como é que uma pessoa que frequentou Economia vem parar à escrita?
Catarina Beato:
A pergunta é mais, como é que fui parar à Economia. Sempre escrevi. Desde que me lembro: leio e escrevo. Escrevo de forma simples, como forma de registar os dias e as histórias da vida. Fui para Economia por influência de uma grande economista, Joaquim Miranda, de quem tenho muitas saudades. Durante o curso, e perante a consciencialização de que não era assim tão inteligente, comecei a trabalhar. Respondi a um anúncio do Diário Digital e percebi que queria ser jornalista. É isso que junta a economia e a escrita: o jornalismo.

HT: Tem algum horário especifico para a escrita, ou escreve quando lhe vem inspiração?
Catarina Beato:
Escrevo quando me apetece e quando tem que ser. Existe o diário e o trabalho. Escrever por obrigação não é nada agradável. E por questões logísticas, escrevo muito à noite.

HT: Li algures que nunca imaginou publicar um livro. Quer-nos contar como nasceu o projecto do livro “Dias de Uma Princesa”?
Catarina Beato:
Eu gosto de ver o meu nome nas páginas dos jornais. Isso imaginei e concretizei. Mas o livro, nunca. O blog estava abandonado mas, desempregada, tive um convite do Dinheiro Vivo (dinheirovivo.pt) para escrever uma crónica. Nessa altura tenho voltar a escrever no blog. Um ano depois recebo um convite da Leya para juntar as coisas que tinha escrito num livro. Aceitei de imediato. Na verdade, e o meu filho mais velho é testemunha, fiquei histérica de felicidade, apesar de aterrorizada.

HT: Nós achamos que a Catarina tem o dom da escrita. Sabe colocar sentimentos em palavras de uma forma absolutamente deliciosa. Já pensou aventurar-se noutro tipo de livros?
Catarina Beato:
Obrigada pelo elogio. Gosto do adjectivo: delicioso. Eu não faço grandes planos nesta área da escrita. Vou trabalhando, vou escrevendo e vou tentando dar forma às coisas que imagino. Com a restrição de tempo de querer continuar a ser uma mãe totalmente presente na vida dos meus filhos. Mas tenho projectos que, espero, vão tomando forma.

Muito obrigada pelo vosso convite para esta entrevista.
Catarina

1 comentário:

A Gata de Saltos Altos disse...

Parabéns pela entrevista. Adorei saber mais um pouquinho da Catarina :)

Um beijinho *

http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

Enviar um comentário

Histórias Transmitidas © 2014